É muito importante que durante o processo de elaboração de um orçamento para uma proposta, haja a participação do maior número possível de membros da equipe ou das equipes de trabalho de sua organização.
Para que essa participação seja produtiva, é absolutamente necessário que todos conheçam os objetivos da entidade, sua realidade financeira e outros aspectos relevantes que digam respeito às questões de gestão interna da organização.

E obviamente, deve-se conhecer muito bem as particularidades e objetivos do projeto a ser implementado.

Por isso é indispensável reuniões preparatórias para a discussão da proposta orçamentária do projeto.

É recomendável que todos tenham conhecimento dos detalhes do edital de chamamento ou das regras de apresentação de propostas e desenvolvimento de projetos perante o financiador.


A equipe de controladoria interna deve participar ativamente, e, em conjunto com as equipes responsáveis pela gestão e operacionalização do projeto.

Recomenda-se que todos os envolvidos conheçam o “modus operandi” do financiador quanto aos aspectos ligados ao monitoramento e avaliação do projeto, seus relatórios a serem entregues, prazos, além da prestação de contas (peça fundamental no relacionamento com o doador dos recursos).


Não se pode esquecer que o gestor do projeto deverá ser o principal responsável pelo desenvolvimento da peça orçamentária, e, portanto, deverá o tempo todo liderar o desenvolvimento das etapas de trabalho de elaboração da previsão dos custos. Afinal, este membro da equipe terá que necessariamente ter uma visão macro do projeto em todos os seus desdobramentos.


É aconselhável a realização de reuniões para discussão da proposta de orçamento no que tange a cada rubrica do mesmo.


Lembrando que a peça orçamentária deverá ser o mais realista possível tanto no que diz respeito às necessidades do projeto, assim como, à capacidade de financiamento do ente doador. E essa ponderação só poderá ser proporcionada pela ampla discussão entre os membros das equipes de sua entidade que deverão trazer diversos aspectos capazes de equilibrar a relação custo/benefício da sua proposta.

 

FIQUE DE OLHO NA SUPER DICA DE ORÇAMENTO Nº 5: TIPOS DE CUSTOS A SEREM CONSIDERADOS NO ORÇAMENTO DO PROJETO.