Fonte: ATADOS

Texto por Isabella Arruda e fotos por Catarina Ribeiro, voluntárias do projeto Comunicadores São Paulo (2019).

 

A pouca iluminação da rua Boa Vista, localizada na Sé, ilumina o grupo que ali se forma, não que eles precisem de muito, a luz que eles emitem já brilha a quilômetros. É ali naquela rua qualquer do centro de São Paulo que a noite vira palco de um espetáculo muito longe de ser teatral, um show, mas que não conta com a presença de artistas ou fãs e sim pessoas comuns que buscam apenas apresentar a gentileza e o amor em sua forma mais pura. É neste local que a organização sem fins lucrativos Mãos na Massa se reúne, para oferecer refeições àqueles que sofrem de uma das mais terríveis dores de que um ser humano pode sentir: a fome.

Com uma organização admirável, a ONG se divide em duas: as equipes que vão ficar nas estações localizadas na rua e a equipe que vai pro delivery. Na rua, são montadas cinco paradas, a do macarrão, a do pão, do biscoito, a do suco e a do café e achocolatado, sendo a do suco e do pão fixas. Em cada uma, cerca de 5 voluntários se dividem em servir e distribuir o alimento para uma fila de quase 300 pessoas que esperam ansiosamente por aquela que pode ser a única refeição do dia. Já a equipe do delivery sai com os voluntários para servir a comida às pessoas que, por algum motivo, não conseguem ir até a fila. Eles levam as panelas grandes de comida e garrafas de água com suco e mantém uma atuação bem dinâmica para servir e carregar tudo ao mesmo tempo.

Além da preocupação de atender a todos bem, a organização se preocupa em deixar tudo limpo, por isso alguns voluntários andam com sacos de lixo recolhendo as embalagens descartáveis que ainda são um problema, porém a única opção viável da equipe. É possível também que se repita a refeição pegando a fila novamente, sendo todos tratados da mesma forma.

Tudo é muito bem pensado e coordenado para atender aqueles que tanto necessitam, e quando perguntados o porquê dos voluntários estarem ali a resposta é quase que unânime, todos querem ajudar, pelo simples e puro prazer, mais que isso, ali eles vão de encontro a um lado mais humano, onde a comida é o idioma universal. Voluntária a quase dois anos, Jennifer Freytag, diz “Eu gosto muito de vir aqui, se encaixa na rotina e é uma experiência muito gostosa. Aqui todo mundo é amigo” Ela iniciou junto com sua irmã a estação do suco e desde então é uma responsabilidade que nenhuma das duas abre mão de fazer.

Mas para que as coisas funcionem bem é necessário muito mais gente, existem aqueles voluntários que cozinham os alimentos e preparam o achocolatado e o café, os que buscam e levam as refeições até seu local de destino e quase que fundamentalmente aqueles que doam os alimentos e descartáveis para que a ação possa ocorrer e atender a todos, há também aqueles que fotografam as ações e gerenciam as redes sociais que é o grande meio de divulgação da ONG.

Por se tratar de uma ação conjunta de amigos, não necessariamente pessoas que se conheciam antes e sim que se tornaram amigos ali, a Mãos na Massa não tem um “líder” e sim alguns facilitadores que ficam responsáveis por cuidar das redes sociais e da organização, seja da ação solidária ou a de outras partes como a captação de doações. Carlos Zillig é um desses facilitadores, ele conta que antes participava de um outro grupo que fazia uma ação similar na área, mas que este acabou por ir para outra região, então para não deixar aquelas pessoas que já tinham o hábito de se alimentarem ali desamparadas, foi criado o Mãos na Massa.

Um dos lemas mais legais apresentados e que pode ser considerado até um parâmetro para aquele pessoal é o de que “Na rua somos um”, tendo isso em vista podemos dizer que existem outras ONGS, com propostas similares e todas elas se ajudam, seja na rotatividade de voluntários, cobrindo outros dias servindo refeições ou no auxílio da própria ação “A camisa pode ser diferente, mas a proposta é igual, queremos ajudar” diz Carlos.

As ações da Mãos na Massa, contam com gente de todas as idades, a voluntária a mais de 6 meses, Viviane Vitorio, leva sua filha para ajudar e conta que essa é uma das atividades que ela mais gosta “Eu acho importante que a gente incentive os nossos filhos a terem atitudes assim, faz com que nós sejamos melhores seres humanos e que perpetuamos essa prática”. Mas não é só de voluntários veteranos que a ação é feita, existe bastante gente procurando a ONG para praticar o bem, como é o caso de Josceli Roberto, recém chegado em São Paulo, ele descobriu a ONG pelo Instagram após a indicação de um amigo. “Foi uma experiência muito interessante, eu gostei, não tinha ideia de quão rápido e organizado seria” diz Josceli que comenta que após a experiência pretende voltar mais vezes.

A Mãos na Massa também realiza outros eventos solidários, o mais recente foi a festa do dia das crianças na qual eles fizeram um “dia de brincar” entre os voluntários e as crianças da comunidade Jardim Papai Noel e Rua alba, levaram brinquedos, distribuíram doces e muito amor e alegria.

E como boas ações geram mais boas ações e acabam por atrair mais pessoas de bom coração, eles foram contemplados pela ajuda de uma outra ONG chamada Caridade é Verbo, ela é formada por um grupo de amigos que se une em prol da arrecadação de fundos e com isso eles fazem doações para aquelas organizações que precisam e se mantém dessa forma, além disso, eles se propõem a participar de perto de uma dessas ações. Graças a atitude da Caridade é Verbo, a Mãos na Massa vai conseguir fornecer alimentos até pelo menos o final do ano. São atitudes como essa que reforçam a ideia de que o amor e a caridade ainda vivem em São Paulo e ainda estão presentes nas pessoas.

Todas essas ações só acontecem porque muita gente boa se junta para mudar ou melhorar um pedacinho da realidade que desagrada, assim eles contribuem, nem sempre doando coisas materiais, mas doando amor para a construção de um mundo melhor, um mundo em que se vale a pena viver, um mundo mais humano em que o altruísmo e a empatia são leis fundamentais. Talvez, você não veja essas notícias ou essas pessoas em grandes posições de destaque, mas elas existem! E continuam lutando e fazendo um mundo melhor, por isso não devemos deixar de acreditar que ainda existe esperança, principalmente depois de se deparar com tanta coisa boa e tanta gente botando as Mãos na Massa.


Para conhecer mais sobre a ONG Mãos na Massa ou fazer um trabalho voluntário na organização, clique aqui. Você também pode seguir o Mãos na Massa no Instagram.